28 de julho de 2015

Tarte de Amêndoa... e a Lenda das Amendoeiras...






Tinha já a história elaborada para esta receita, quando fui convidada para para participar de um  passatempo, e, como  o  meu  tempo  cada  vez  tem  menos  tempo...  eu vou  contar a história... Adoro "história" e também, narrar vivências...

As minhas narrativas faz-e lembrar esta sinopse.
"É essa uma das poucas vantagens da velhice: poder viajar no tempo. Não como faz a juventude com o privilégio de ansiar pelo futuro, mas ironicamente em marcha-atrás. Recebendo lições de modéstia ,deixando pelo caminho as certezas que o não eram, rindo de ter tomado a sério a palavra eternidade.
Pó Cinza e Recordações de José Rentes de Carvalho



Era uma vez...

Há muito muito tempo antes da independência de portugal, quando o Algarve ou ALGARBH ainda pertencia aos mouros, reinava Ibne-Almundim, guerreiro terrível que nunca tinha conhecido uma derrota, Ora, um dia, após uma batalha da qual saiu vencedor contra um senhor dos países do norte, surgiu, perante os prisioneiros, uma linda princesa. 

Cedo o rei apaixonou-se por essa beleza nórdica de nome Gilda. O amor foi correspondido e marcaram logo casamento. Porém, apesar das festividades e do seu amor pelo califa, a princesa ia ficando cada vez mais triste e melancólica até que um dia já não conseguiu levantar-se da cama. 
Apavorado, o rei mandou chamar todos os sábios do país para que encontrassem uma cura de tão estranha doença que se tinha apoderado da sua amada, Mas nada conseguiram para melhorar a saúde da princesa. Até que um dia um velho poeta nórdico prisioneiro do rei, em troca a sua liberdade, disse que sabia de que mal sofria a princesa.

Revelou então ao rei que a bela Gilda sofriam de nostalgia da brancura dos campos cobertos de neve do seu país natal. O rei ordenou então que plantassem junto ao palácio milhares de amendoeiras para que quando florissem cobrissem a terra de um manto branco. Ao chegar a primavera, o rei levou a princesa até à janela do terraço, que maravilhada com tão lindo espectáculo, conseguiu iludir a saudade. Recuperando a alegria de viver.
Lendas de Portugal







Esta tarte, há muitas décadas... estava na lista das favoritas!! Sempre presente numa mesa de festa... "não deixando os seus créditos por mesas alheias"



Ingredientes

275 g de açúcar
185 g de manteiga
300 g de farinha, extra-fina sem fermento
250 g de amêndoa, grande e espalmada 
3  ovos
1/2 colher ( chá) de fermento em pó

Para o brilho

2 colheres de sopa bem cheias, de geleia a seu gosto
1 colher de sopa bem cheia, de vinho do Porto


Preparação

Deite na taça da batedeira, a manteiga (não substitua por margarina o resultado final é muito inferior), o açúcar, as gemas e bater bem 7 a 8 minutos. Adiciona-se a farinha com o fermento e as claras em castelo.

Forma com 32 cm de diâmetro, muito bem untada e polvilhada. Forno pré-aquecido a 170ºC, por 25 a 30 minutos. Mas tudo depende do seu forno. Entretanto leve ao lume um pequeno recipiente com a geleia e o vinho do porto, em lume brando deixe ferver uns segundos.

Quando retirar a tarte do forno pincele de imediato com o preparado aquecido.

Nota  Não substitua a manteiga por margarina, o resultado final é muito inferior.


É também com esta receita que vou participar no passatempo do blog "Cozinha sem Segredos". A um produto Açoriano.
A manteiga Loreto que ocupa um lugar na nossa mesa à muito tempo, é suave e de paladar distinto.






21 de julho de 2015

Tarte folhada de Carne com Batata Gratinada... um almoço singular !!






O nosso almoço no Domingo, em família, foi até sui generes para o habitué gastronómico do meu marido. Tinha sobrado ainda bastante recheio das empadas (que ele não gosta), mas como de massa folhada todos adoram: estava decidido o almoço. Faltava-me mais qualquer coisa... acompanhar a empada só com salada.... ora! Não estávamos de regime. 
Batata gratinada seria excelente, a receita é um pouco light, mas muito agradável. Comparo as batatas gratinadas, aquelas receitas, que tendo todas o mesmo nome.. falta-lhe o apelido...
Esta é uma receita tipo inglesa, muito simples mas que acompanha muito bem assados e grelhados.




Não tive oportunidade de tirar as fotos antes de ir para a mesa... e mais tarde, a máquina não pode fazer milagres.




Ingredientes para a tarte
  • Forma, tarteira com 30cm de diametro
  • Pré aquecer o forno a 250ºC

500 g  de massa folhada, comprei uma embalagem com duas placas de 250 g cada uma, de massa folhada
700 g de carne, já cozinhada e picada
1,5 dl de molho da carne
300 g de molho bechamel
1  ovo
Papel vegetal 

Preparação

Forre a forma com o papel e reserve. 
Leve ao lume um recipiente, e deite a carne e o molho, misture e deixe aquecer bem, adicione o bechamel e começando a ferver retire e deixe arrefecer bem. A massa folhada não reage bem a recheios quentes.

A massa folhada só deve ser preparada depois do recheio frio. Forre a forma com a massa deite o recheio e espalhe bem. Coloque um circulo de massa a cobrir a forma e una as beiras com as duas massas juntas. Dilua a gema com uma colher de chá de leite e pincele a tarte. Com o cabo de uma colher de pau e bem no centro da tarte, fure a massa fazendo uma uma abertura, tem a função de  deixar  o vapor sair e tornar a massa crocante.

Leve ao forno e baixe a temperatura para 200ºC (se a temperatura do forno for forte) se alourar muito depressa, coloque um tabuleiro por cima. Mantenha esta temperatura de 20 a 30 minutos, e baixe para 140ºC por mais 20 minutos. Retire do forno, pegue nas pontas do papel vegetal tire da forma e ponha sobre uma mesa, com duas espátulas transfira para uma travessa.


.



Ingrediente para a batata gratinada

1 kg de batata para cozer, que não se desfaça 
2,5 dl de leite, meio gordo ou magro
2 dl de caldo de galinha, dissolvi 2/3  de caldo knorr na água
Nóz moscada
Pimenta preta de moinho
sal
1 pacote de queijo ralado do Dia gosto do, ralado 4 Queijos, bom para gratinar 


Preparação

Descasque as batatas e corte em rodelas finas, espalhe-as   bem acamadas na assadeira. O recipiente deve  permitir que as batata  não fiquem  com muita altura. Polvilhe   generosamente com noz moscada  e a pimenta moída. Aqueça bem o leite com a água, o caldo knorr e umas pedrinhas de sal, verta sobre as batatas por forma que os temperos com que as polvilhou penetrem no seu interior. 

Tape com uma folha de alumínio e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC. O tempo de cozedura depende da qualidade da batata. Convém verificar 30 minutos depois, espete com um garfo, quando estiverem quase cozidas espalhe o queijo e baixe o lume para 150ºC até o queijo derreter e alourar.

Não querendo usar queijo, coloque nozes (pedacinhos) de manteiga e polvilhe com bolacha de água e sal mal triturada.



17 de julho de 2015

Empadinhas de Carne





A famosa frase..."Na Natureza nada se cria e nada se perde, tudo se transforma.  De, Antoine Laurente de Lavoisier, "pai" de  química moderna", pode aplicar-se muitíssimo bem, na culinária. Em épocas conturbadas como a que está a acontecer, é necessário usar todos os recursos para economizar.

É fácil depreender que actualmente menos refeições são servidas nos restaurantes, e trocadas pelas "prestigiadas" e excelentes marmitas. Como a "necessidade aguça o engenho" a criatividade faz sem duvida, surgir novas receitas, temperos e sabores... e até potenciais cozinheiros... o dom... estava adormecido.




Quando se faz um assado ou um estufado, podemos beneficiar dessa oportunidade, e usar uma quantidade superior de carne que poderemos   empregar   para outras confecções, no momento ou congelar em recipiente  com uma etiqueta  descriminando o conteúdo. Poderá entretanto, haver  mais sobras que  queira aproveitar   mas não a curto prazo, então, segue os passos anteriores e congela até surgir a oportunidade de a confeccionar.




E aquelas circunstancias que deparamos e para as quais não tínhamos planos. Foi o que me aconteceu: Fiz um assado no forno com muita quantidade de carne, mas com os  patês e as frutas (gosto de colocar fruta laminada para acompanhar a refeição). Sobrou muita carne e, soube logo que destino lhe dar.

Estas empadas são receita do Chefe Silva, de 1974, durante muito tempo foram um dos companheiros dos piqueniques, mas já não as fazia há imenso tempo. Foi bom... é que as recordações fizeram-me companhia.




Ingredientes para o recheio

250 g de carne picada, assada ou estufada
1/2 cebola, picada
2 dentes de alho, picado
25 g de margarina (1 colher de sopa)
10 g de farinha (1 colher de sobremesa)
1/2 copo de vinho braco
1/2 chávena de caldo de carne
Noz moscada
Pimenta de moinho
Um raminho de salsa picada

Preparação

  1. Estufar a cebola na margarina, juntar o alho e deixe apurar um pouco. 
  2. Polvilhe o refogado  com a farinha, envolva e adicione o vinho, deixe ferver 1 ou 2 minutos e deite o caldo de carne. 
  3. Verifique o tempero e adicione a pimenta de moinho e a noz moscada. O molho deve ser suficiente para envolver a carne e esta,não se esfarelar. 
  4. Deite a carne, envolva no molho e deixe levantar ferver. Retire e deixe arrefecer. A textura deste preparado tem que ficar seca para não estragar a massa nas formas.




Ingredientes para amassa

250 g de farinha
200 g de margarina
250 g de puré de batata
Forminhas para untar e polvilhar (irei experimentar de silicone)

Preparação
  1. Retire a margarina frigorífico para ficar à temperatura ambiente.
  2. Coza as batatas triture e reserve tapadas.Pese a farinha e peneire
  3. Comece por esfarelar a margarina com a farinha e acrescente o puré da batata. Esta massa não deve ser amassada, os três ingrediente são esfarelados levemente só com as pontas dos dedos. Não é difícil porque a massa é muito macia



  1. Retire pedaços de massa e coloque e coloque dentro da forma, com um pouco de farinha no meio para poder forrar a forma sem a massa se pegar aos dedos. 
  2. Deve ficar com uma espessura de 5mm no minimo, com uma faca retire o excesso de massa Depois de todas as formas preparadas coloque o recheio. 
  3. Agora vamos à etapa que considero mais aborrecido. Tapar as formas: e então vamos lá...
  4. Como não se  pode tender a massa com o rolo, terá que, na mesa enfarinhada e sem carregar muito, estenda a massa calcando com a palma das mãos. Com um cortador ou copo com a medida, corte circulos,  coloque sobre as formas e pressione um pouco.
  5. Depois de todas tapadas são pinceladas com a gema do ovo dissolvida numa colher de sobremesa, de leite.
  6. Colocar no forno pré aquecido a 170º C e depois reduza para 160º C, verifique a tonalidade, quando estiverem douradas estão cozidas. Nunca menos de 30 minutos. 




Nota
  1. Se utilizar carne com molho, já não necessita de fazer a preparação do refogado. Adicione à carne, leve ao lume e deixe começar a ferver, rectifique temperos e está pronta

13 de julho de 2015

Torta tradicional de Laranja... da nossa doçaria Conventual




Já faço esta torta há muitos anos, é um dos doces preferidos do meu filho, é uma torta muito simples, mas muito aromática. Usei mirtilos cristalizados para contrastar com o doce da torta. Ficou excelente.
Atualmente as receitas têm muitas variantes e os sabores alteraram-se um pouco, porem, a textura da massa beneficiou com o acréscimo dos amidos e o enrolar tornou-se mais fácil.



O historial da Torta de laranja já data do século XVI. É  um doce conventual e disputado por duas localidades... 




Há várias versões da sua origem: a que mais se destaca e muito considerada, é a famosa "Torta de Laranja de Setúbal"É certo que em Setúbal esteve instalado um convento de Clarissas no Convento de Jesus onde está agora um museu.

Também se conta... que deve ter sido oriunda do Convento de Nossa Senhora da Conceição de Lagos. A torta é confecionada misturando sumo de laranja com ovos e açúcar. Vai cozer ao forno em forma barrada com manteiga e depois é enrolada polvilhando com açúcar.




Esta também é muito conhecida por Torta de Laranja Setúbal. Muito embora as laranjas do Algarve já fossem conhecidas pela sua qualidade e sabor, foi possivelmente pelo sucesso de enxertia das laranjeiras de Setúbal que obtiveram laranjas muito doces, que esta região escolheu a torta pelo prestigio que as suas laranjas alcançaram como um dos seus símbolos doceiros.


Ingredientes

9 ovos
360 g de açúcar
250 ml de sumo de laranja
60 g de manteiga derretida
50 g de farinha de trigo
Raspa de duas laranjas grandes
Manteiga para untar a forma e açúcar para polvilhar
Papel vegetal 

Preparação

Pré-aqueça o forno a 170ºC
  1. Derreta uma porção de manteiga, deite no tabuleiro e pincele bem as laterais, corte o papel vegetal à medida e passe-o na manteiga de forma a que todo a área fique untada, vire o papel que irá aderir bem na forma. Polvilhe muito bem, toda a forma.
  2. Derreta a manteiga sem ferver.
  3. Dissolva a farinha no sumo de laranja, e coe.
  4. Deite numa taça os ovos e junte o açúcar. Mexa sem bater, adicione o sumo de laranja com a farinha e mexa mais um pouco.
  5. Termine, adicionando a manteiga derretida. Envolva toda a mistura e deite na forma preparada.
  6. Leve ao forno por, 25 minutos. 
  7. Desenformar sobre um pano bem polvilhado de açúcar. Enrole devagar com a ajuda do pano e deixe amornar assim com o pano. Com duas espátulas grandes transfira para a torteira. Pode ou não, polvilhar de açúcar.  






Texto com o apoio das crónicas de: Virgílio Nogueiro Gomes. O meu agradecimento.

6 de julho de 2015

Queijos de Fruta...






Uma abundância de frutos amadurecidos ao sol, encontrados nas lojas a preços mais baixos, significa que chegou a hora de fazer os queijos de fruta. São muito fáceis de preparar e não necessitam de perícia ou equipamento especial, excepto uma boa colher de pau.

Os queijos de fruta são substanciais, e ficam apetitosos quando colocados em formas de vários desenhos. Depois são retirados e cortados em fatias ou cubos, cobertos de açúcar ou não. 





Embora tenham uma história muito longa, que remota a milhares de anos, os queijos de fruta nunca passaram de moda ou perderam a popularidade em toda a parte. No sul da França, são servidos com queijos frescos.

No México e no Brasil, goiabas, marmelos, mangas e abacaxis todos são utilizados para fazer queijos de fruta, que são comidos com queijos cremosos e crackers, (bolacha de água e sal). Mais próximo de nós, frutos do pomar, como ameixas brancas e roxas, dão queijos muito coloridos. 


   


Este queijo de pêssego foi aromatizado com gengibre fresco, cortado em pedaços pequenos.

O marmeleiro é originário do Médio Oriente, mas há muitos séculos aclimatado na Península Ibérica. E é na sua origem, que se tem conhecimento de que forma o preparavam. Era cozinhado com mel e vinhos doces tornando-o num creme a que chamavam de Marmelade. A marmelada que conhecemos atualmente, pode ter sido considerado é um produto de subsistência, que após ser colocada ao sol para secar, poderia ser utilizada durante todo o ano.



.
Lave, descaroce ou descasque, e corte os frutos conforme necessário; remova as partes tocadas. Coloque os frutos num tacho de doce.(untar levemente o tacho para impedir que a fruta pegue.) Cubra a fruta com água e deixe ferver.

Depois cozinhe, mexendo ocasionalmente em lume brando, até a fruta ficar macia e polposa, sem excesso de líquido. Passe-a (em passe-vite) ou reduza a fruta a um puré (varinha mágica).

Ingredientes

450 g de açúcar 
450 g de polpa de fruta
  1. Aqueça o açúcar. volte a por a polpa no tacho com o açúcar, junte as especiarias, se as utilizar, e mexa em lume brando até o açúcar se dissolver por completo. 
  2. Deixe ferver e cozinhe, de 45 a 60 minutos, mexendo frequentemente, para impedir que pegue. O queijo está pronto quando uma colher passar no fundo do tacho deixar  um traço claro. (ver o fundo do tacho).
  3. Verta a mistura para as formas, de onde pode ser retirada sem se partir. Unte as formas com um pouco de glicerina, para que saiam mais facilmente. Se os queijos estiveram em formas, cubra-os com se fossem compotas, com discos de cera. Coloque o tamanho correto do disco de cera, com o lado da cera para baixo, sobre a superfície da compota. Passe a ponta do dedo por cima para bolhas de ar existentes. Cubra com um circulo de celofane húmido e segure com um elástico.



Queijo de Ameixas Roxas

Ingredientes

2,75 kg de ameixas
300 ml de água
  1. Coloque as ameixas e a água num tacho e deixe ferver. Mexa de vez em quando, durante 30 minutos ou até ficarem tenras.
  2. Passe as ameixas e o sumo por um passador de plástico colocado sobre uma tigela não metálica. Retire os caroços. Pese a polpa passada e ponha-a de novo no tacho com um peso igual de açúcar aquecido. Mexa em lume brando até o açúcar se dissolver todo,
  3. Deixe ferver e cozinhe, mexendo frequentemente, de 40 a 45 minutos. A polpa deve estar espessa e firme de modo que quando se passar uma colher de pau pelo fundo do tacho, esta, esteja firme.
  4.  Siga as instruções do item 3, da receita anterior.


19 de junho de 2015

Uma viagem de Saberes... e em Lubeck, a essência dos Sabores de Marzipan



Hoje não trago sabores meus...  mas estes.... são sabores de todo o mundo...





Visitar Lubeck e provar maçapão foi recordar os sabores da década de 70, quando em Portugal,  o Algarve produzia os originais frutos de maçapão. Não alcançando  bem, a essência de Niederegger, eram também famosos. Os anos foram passando e a qualidade do nosso maçapão alterou-se muito.

Teve origem no oriente, mas é produzido em vários países europeus, como Itália, Portugal, Grécia e, claro, Alemanha. Onde era servido na mesa do califa como um manjar especial, e, durante muito tempo na Europa, o maçapão apenas podia ser apreciado pela elite, como, por exemplo por, réis, príncipes e damas da corte.
E é por aqui que são produzidos os mais famosos maçapão, entre eles, a marca que acabou se tornando a favorita: Niederegger. Posso afirmar com toda a certeza: - Não se pode dizer, que se conhece maçapão, até ter provado um desta marca!


As  doze  figuras  em  tamanho  natural  de  Maçapão,  são  fãs  do  famoso Marzipan  de Niederegger

O triunfo de maçapão começou em Lubeck. Joann Georg Niederegger (1777-1856) fundou a fábrica que ainda faz a iguaria irresistível com tão perfeita qualidade. O Maçapão é uma mistura cremosa de amêndoas e açúcar feita em pasta muito doce. O segredo da receita da família Niederegger não alcançamos, mas o máximo que se sabe é que o seu ingrediente secreto é semelhante à água de rosas... o Segredo do maçapão, no entanto, encontra-se nas amêndoas. Uma vez, que ainda é fabricado a partir de amêndoas mediterrâneas especialmente seleccionadas e de preço elevado.


É difícil descrever tudo o que vi... na casa Heidegger !!
Na entrada deparamos com um universo de cor e aroma de amêndoas. Os expositores e que são muitos, deslumbram com a variedade de Marzipan, que vai desde, pequenos tipo bombons, aos característicos frutos e animais, principalmente o porquinho.

foto web

O Marzipan embrulhados em prata vermelha, têm cobertura de chocolate.


foto web

Todo o 1º andar é uma grande sala de chá que estava quase lotada, e as fatias de bolo cobertas ou recheadas de maçapão deslumbravam nas vitrinas.
Subimos ao 2º andar, o museu onde cada visitante é enviado para uma longa e interessante jornada. Hoje em dia, o maçapão da Heidegger - síntese do maçapão de Lubeck é uma das especialidades de confeitaria mais exclusivas.

Esta é uma divisória em vidro e recheada de amêndoas, a iluminação transforma-a numa imagem admirável.



A receita está exposta basta só saber alemão... será??? 





Rathaus de Lubeck (câmara municipal)



Não poderia deixar de partilhar esta curiosidade. A (casa de Concelho)  Rathaus de Lubeck, é sem duvida uma das mais antigas e belas na Alemanha. Esplendor e poder. A partir de 1230, tres casas triangulares foram construídas e em 1308 a Rathaus ficou concluída num estilo pré-romântico - arte medieval e manteve durante séculos transformações. Em 1435 viu novas construções em estilo gótico tardio, 150 anos depois o estilo renascentista ficou também retratado.








Hamburgo, a segunda maior cidade da Alemanha é lindíssima e abriga o maior porto da Europa, no rio Elba . Moderna e elegante é também considerada uma das melhores cidades para se viver. Não foram em demasia os elogios do meu filho. Achei a cidade muito bonita, já me tinham falado que a cidade era fantástica, e agora concordo plenamente.

Este parque (stadpark) fica perto do centro de Hamburgo e quase ao lado... da casa do meu filho. Seriam necessários muitos adjétivos para o poder qualificar, e como me fascinou, é com este jardim que começo um pequeno roteiro sobre  a minha passagem e do meu marido, por Hamburgo,



Stadpark é o maior parque recreativo de Hamburgo e oferece: esportes, áreas de lazer e pontos de piquenique e churrasco, além de um programa de concertos e eventos culturais. Stadtpark é o local favorito para recreação na cidade. Nos fins de semana com tempo bom, mais de 200.000 moradores de Hamburgo vão ao parque para aproveitar as diversas atividades recreativas oferecidas, além de concertos, churrasco e piqueniques.




Esse espaçoso parque municipal já foi um terreno de caça privado de um respeitado homem de negócios antes de ser vendido à cidade em 1902. Ele fica no distrito de Winterhude, na zona norte da cidade. O parque se estende por 60 hectares e conta relvas verdes bem cuidados e jardins com flores. Sobre esta relva, eu vi, um pequeno grupo a fazer churrasco com carvão, e quando terminaram, as brasas que restaram foram colocadas num contentor especifico para o efeito e no contentor ao lado, o restante lixo. Mas o mais importante, é que cada pessoa zela pela limpeza... 

Como todos os estabelecimentos estão fechados ao domingo, como ficam estes parques no verão... 


foto da web

Planetário



Na extremidade do parque, encontramos o planetário, que atrai mais de 300.000 mil visitantes todos os anos. Mas no verão, o espectáculo exterior com moradores e turistas devem ultrapassar esse numero de visitantes 

Esta é uma foto de verão !!

foto web


Este corredor verdejante era um dos acessos que utilizava-mos para o parque, e do lado de lá... havia casinhas lindas e floridas. Víamos senhoras e de muita idade, saírem destas portas com as suas bicicletas e pedalando com uma confiança que só a muita prática oferece.



Hamburg winterhude

Vamos conhecer um pouco desta freguesia de Hamburgo, Winterhud. Muito perto do centro e do  jardim Stadtpark As ruas com belas e frondosas árvores, de tons verdes frescos e com as folhas ainda novas, embelezam e transmitem tranquilidade nas ruas ,que quase sem veículos eram interrompida pelos muito ciclistas que ali transitam, mantendo assim a tradição da cidade.
Não fosse esta, a cidade das bicicletas !!!

Esta é uma das muitas imagens que decoram a cidade. Nesta zona, como também em muitas outras, foram preservadas dos bombardeamentos na 2ª guerra mundial,  e assim, tem muitos edifícios da época como este, com pequenos espaços ou jardins na entrada, e havendo gradeamento os residentes estacionam as bicicletas,  apenas protegidas com uma simples corrente e cadeado. É numa rua perpendicular a esta, que  o meu filho reside.



Os carros que se encontram estacionados, também serão quase todos de residentes... os transportes públicos funcionam na perfeição e as bicicleta são muito utilizadas.  


Aqui, o meu marido e meu filho vão pedalar... em bicicletas de aluguer. Por toda a cidade existe postos com bicicletas, e para  as usar, é através da utilização de um cartão.

O exercício é uma constante, para os alemães. Nas ruas tranquilas pedalam em fila, pequenos ciclistas condicionados à aula do formador. Nos canais praticam remo, pequenos, grandes, em grupos, ou sós, em pequenas canoas. 



A poucos metros de distancia, tínhamos alguns dos muitos canais que serpenteiam por Hamburgo. E os patos participam  e acompanham os navegantes...



Estas casas ribanceiras ao canais, são casas para as férias verão. Teria amado... estar lá nessa data!!




Os canais, estão muito perto uns dos outros. E neles circulam também barcos de recreio para turismo.



St. Pauli Piers Landungsbrucken 

Estavámos em Hamburgo quando dos festejos em Landungsbrucken do 825º aniversário do porto, no rio Elba. A festa popular é aberta tradicionalmente com um culto religioso. Depois disto, 300 veículos aquáticos participam de uma parada na bacia portuária do rio Elba. Só no ultimo dia e à tarde, é que esteve um pouco de sol e como não choveu, podemos ver os momentos finais das festividades.

Uma das imagens mais associadas a Hamburgo é do porto junto ao rio Elba. Pensar em Hamburgo é lembrar de água, e as mais de 2400 pontes, numero que supera Veneza e Amesterdão juntas. E os canais? Eles formam uma teia na parte da cidade mais próxima do rio Elba. Permitindo a Hamburgo disputar com Estocolmo, Amesterdão e Bruges, o direito informal de chamar a si mesma de Veneza do norte da Europa.





Estes barcos aqui acostados são de pequenos cruzeiros e estão continuamente em movimento.



Ratahaus de Hamburgo - (câmara municipal, na baixa de hamburgo)

Uma das paisagens mais marcantes de Hamburgo é o edifício da "casa de concelho" (Ratuaus). Após o grande incêndio de 1842, boa parte do centro antigo de Hamburgo, incluindo a antiga rathaus que foi dinamitada para que se impedisse a passagem das chamas que varriam a cidade há dias. Após esse grande incêndio, boa parte do centro de Hamburgo precisava de ser reconstruido.

foto da web

Depois de 40 anos de planeamento, devido a diversas vezes o projeto foi parado devido a revoluções, disputas e uma epidemia de cólera, em 1886 iniciaram as obras da nova Ratahus, onde foram gastos mais de 11 milhões de Marcos de ouro, o que para a época era uma quantia fabulosa. A ideia era recuperar a auto estima da cidade após o grande incêndio e a cólera, mostrando a seus habitantes e visitantes toda a sua imponência e força económica. 

Esta grande área pavimentada e paralela ao rio, foi remodelada já esta década, permitindo um espaço de descanso e lazer. Daqui partem os barcos de turismo fazendo o passeio pelo Alster e pelos canais, que eram usados como vias de transporte de carga. 

foto da web

Também aqui na baixa da cidade encontramos tantas outras maravilhas. 
A igreja de St. Petri (Ptrikirche) é a igreja pastoral mais antiga de Hamburgo. No ano de 1195 foi certificada pela primeira vez como Igreja Forense. O seu interior é muito belo. 







Lago Alster - Uma das  grandes atrações da cidade, é um lago artificial bem no centro histórico de Hamburgo e foi fundado em 1190, sob as ordens de Adolf III.  É habitado por muitos cisnes patos e gansos. Rodeia o Alster, um belo parque do mesmo nome, que proporciona descontrair, e boas caminhadas, numa extensão de 7 km a que chamam, "caminhada da saúde".




Os Cisnes, patos e gansos, estavam a receber alimento de amigos dos animais, e pela naturalidade que mostravam, seria uma prática frequente. Ao fim de alguns minutos eram imensos.        
ponte de Lombarde é uma ponte rodoviária e ferroviária sobre o rio Alster. A ponte original de madeira foi subsistida em 1865. Bela ponte com tres arcos.



Em redor de todo lago os jardins pintam a paisagem de verde e flores salpicam de cores. 




E depois deste passeio regressávamos famintos, e optámos por levar para casa uma especialidade turca. Como ficava perto de casa e queríamos fazer uma refeição rápida, o Döner, era uma boa opção, todos gostávamos, o que também era óptimo e podíamos escolher: de frango ou vaca. uma caixa com pouca batata frita e uma colorida salada temperada com um molho de alho... fabuloso!! E nem imaginam quanto pagávamos €€. como é bom. hummm 


foto web

 Laboe, Kiel

dia manteve-se muito cinzento, mas à tarde saímos para um passeio a Laboe, Kiel e visitar o famoso German submarine U-995.



AL 995 encontrou o seu destino final, na praia Ostsee. Uma organização de Alto Comando da Marinha colocou 603 submarinos deste tipo VIIC / 41) em serviço entre 1939 e 1944. Foi um dos tipos de submarinos mais importantes da segunda guerra mundial. 
De 1943 a 1945, o U995 cumpriu várias missões contra comboios aliados que se dirigiam para Murmansk, porto militar importante, no Círculo Polar Ártico.

Em 1945, o submarino foi capturado pelos aliados e desde então ele serviu na Marinha Norueguesa
Em 1965, ele recebeu alta e foi oferecido ao governo alemão pelo preço simbólico de 1 marco, mas recusaram. Uma associação naval alemã interveio e graças a eles, que hoje se pode admirar este espetacular subaquático quase de 70 metros de comprimento.



Camarata dos marinheiros.


Zona do periscópio



Um torpedo.


Uma das áreas da sala de comandos.





As condições atmosféricas em Hamburgo podem ter variações durante o dia todo: sol, nuvens e até aguaceiros, mas breves. É usual ouvir esta frase - " aguarda 10 minutos e já passa". Havia previsões com possíveis temperaturas razoáveis... ficámos só com as possíveis...  e foi só um dia para usar manga curta. Qualquer que fossem as alterações em nada fariam alterar o fascínio que aquela cidade me transmitiu. 

Hamburg Willkommen Höft


E continuando pertinho de água chegámos, a Hamburg Willkommen Höft (ponto de boas vindas a Hamburgo) em Schulaeur Fährhaus, no rio Elba. Este rio que desagua no Mar do Norte
Em junho de 1952 veio pela primeira vez a partir do "Ponto de boas vindas"a saudação de um navio sobre o mesmo: "Bem vindo a Hamburgo, estamos ansiosos para recebe-lo no porto de Hamburgo". Desde esse dia que foram vária centenas de milhares de navios, e de mais de 1000 Nações que foram ouvidos os seus hinos.




video


Com sorte, pouco tempo depois de chegarmos surgiu ao longe um navio, e quando passou pelo ponto, ouvimos o hino da nacionalidade do navio e as boas vindas que lhe foram desejadas. E eu filmei com o telemóvel,  mas, esqueci que o vento... vão ouvir... e ver !!

Deste pequeno cais Do Ponto de boas-vindas nos meses de verão, de Abril a Outubro e através do rio Elba saem barcos em passeios turísticos.



Schulaeur Fährhaus é também o nome deste restaurante & café no Elba que oferece um excelente serviço a todos que visitam este local. Tem serviço de eventos  de 20 a 1000 pessoas. Com bolos caseiros e uma equipa altamente motivada.




 Castelo Schwerin

As nuvens e o frio foram nos acompanhado até Schwerin para conhecer o famoso castelo com o mesmo nome: Castelo de Schwerin. Com a sua localização romântica em uma ilha do lago Schwerin, o castelo Schwerin, é considerado uma das mais importantes edificações da historia na Europa. Os criadores de Slawenbur ou "castelo dos eslavos", mencionado pela primeira vez em 973, já haviam escolhido a ilha como uma localização estratégica. 


Sua aparência actual, com cinco alas deve-se à reforma realizada até 1857 por ordem do Grão-Duque Frederico Francisco II, tornando-se um símbolo impressionante da sua poderosa dinastia . Ele escolheu, para isso, os melhores arquitetos da época: a imponente edificação tem 653 cómodos com pisos de mosaicos, ricos entalhes em madeira. O ponto alto é a sala do trono, com colunas de mármore de Carrara e portas de ferro fundido folheadas a ouro.


Seu centro histórico represente ainda hoje de forma ideal uma "cidade hanseática" desenvolvida do apogeu no século XIV.
A cidade hanseática", foi uma aliança de cidades mercantis que estabeleceu e manteve um monopólio comercial sobre quase todo o norte da Europa e mar Báltico.





É a foto de despedida, de tanta beleza que esta visita nos proporcionou.




Palácio Ludwigslust

No regresso, ainda passeámos este majestoso palácio localizado num grande parque com avenidas, cascatas artificiais, canais e fontes, é considerado como o pequeno "Versalhes do Norte"...
E teve as suas origens em um simples pavilhão de caça.



Castelo de Luidwigslust.

O palácio é em  estilo  barroco - único  do norte  da   Alemanha - e  tem amplos  jardins em estilo Inglês. O progeto do  castelo com  parques, palácio, torre e igreja  representa  a ideia de um  estado  ideal. Muitas  das  decorações  nas  paredes e nos  tetos, não  são  nem de gesso  nem  madeira,  mas  de  papel  machê, e  ficaram famosas   como  "Luidwigslust de papelão"

Quando o filho de do Duque Friedrich Franz I morreu em 1837, a  corte retomou a Schwerin e  a era dourada do castelo  chegou ao fim.
Em  1920 alguns  quartos  foram  abertos  ao  publico  pela  primeira vez. Mas somente em 1986, se tornou num museu. 


Com uma área de aproximadamente 120 ha o parque do Palácio em Luidwigslust é o maior parque de paisagem em Mecklenburg.
A carateristica especial do palácio, é estar integrado num complexo uniforme. O nome diz tudo: "Lust" é desejo, prazer. E é isso que se pode encontrar nos passeios pelo parque.


Nestes passeios passávamos por muitas áreas pouco desabitadas, mas de extensos campos desta cor amarela, que pareciam rivalizar com alguma tela de desconhecido autor. Quilómetros  e quilómetros, só alterando a cor do amarelo para o verde, que é antes da floração. E antes desta acontecer, encontra-se a planta a vários níveis, justificando o corte por etapas. Áreas de plantas rasas e outras já de altura diferentes. Planta da família das crucíferas como (as couves e o repolho). Temos a planta que produz o Óleo de Canola.  


foto web



foto  web


foto web



Entre outras fotos, e com o carro andamento, sobrou esta e ainda dá para ver que os campos amarelinhos vêm até pertinho de nós.  




Scharbeutz - Mar Báltico

Terminámos os nossos passeios, no Mar Báltico em scharbeutz, pequeno município da Alemanha com a área de  51,78 km quadrados.  É uma estância balnear muito concorrida, e menos não se poderia esperar, com cidades em redor que atingem temperaturas tão baixas. A extensão de costa é grande e as praias de areais brancas com extensa área de água pouco profunda, são o local de férias ideal para famílias.


Tirei esta foto em Maio. Com o meu marido o meu neto e a minha nora.


Nos meses de verão a temperatura pode até ultrapassar 30º C. Bem convidativa depois de tantos meses de inverno !!!

Tirei esta foto em Maio.


Já não havia lugar para por uma toalha !!!

O " Strandkorb" (cadeira de praia)  é o símbolo de férias e descanso no litoral da Alemanha. Usado pela primeira vez em 15 de julho de 1882, ele serve, ao mesmo tempo, de poltrona e proteção contra a o vento, sol e chuva.

foto da web

O clima instável e uma infeção num dente, que me levou a ter que recorrer ao médico e a perder horas com gelo, contribuíram para ficarmos mais tempo em casa. Passámos momentos bem agradáveis preparando aquelas paparocas de que já tinham saudade. Com a minha nora íamos ás compras, grandes superfícies como cá, são poucas. Aliás ao domingo os estabelecimentos estão fechados. É o dia da família. 

Mas fiquei muito admirada com os preços, muitos artigos mais baratos, outros iguais e não muitos, mais caros, a carne é um deles, mas é excelente. Ah, e não faltava a enorme tablete de chocolate que íamos variando... mas compensávamos com uma boa caneca de infusão, deliciosa !!!! 



Deixei esta cidade com um enorme peso de saudade... o meu filho e a família, lá irão permanecer mas eles sentem-se felizes, numa cidade que admiram e que realiza os desejos que pretendiam. E eu, só me posso sentir feliz também !! 

       Beijinho, e um obrigada a todos que tiveram o carinho de me acompanhar !!