5 de fevereiro de 2016

Sabores de Alheira em Peito de Frango Recheado






A alheira já é considerada uma tradição portuguesa. !!

Um pouco de Saberes...
Surgiu nos finais do século XV (Casa da Cultura do Concelho de Mirandela). 
Teve como causa próxima do seu aparecimento uma ação política-económica do rei D. Manuel definida pela expulsão do judeus do país (...Casa da Cultura do Concelho de Mirandela 1988)... 
Lendas e Narrativas, concluirá este artigo para quem gostar de saber... trechos da nossa história.




Presentemente, as alheiras divergem muito na sua essência. Deveriam ser um enchido com carne de caça e com galinha gorda de capoeira... o pão e restantes ingredientes. Sendo a carne de caça mais seca que outras carnes, a galinha gorda equilibrava essa ausência.
Não foi com a caça de Trás-os-Montes, mas sim, com a de Moçambique, que comi verdadeiras alheiras preparadas por uma amiga. Com um marido caçador mesmo que fosse por desporto, tinha as suas vantagens, e quando a grande panela estava no fogão... haveria petisco. Com carnes africanas de peculiar sabor, mas eram sempre excelentes. 
Ainda existem muitas casas particulares a prepara-las para seu consumo. Sabemos de antemão que a perdiz, o coelhos bravo e o javali não abundam, mas com o que temos de bom numa capoeira e sem esquecer, um pouco de suíno... podem preparar-se boas alheiras!!


Não com uma dessas especiais alheiras, mas com esta variante muito boa também, que preparei hoje este prato tão simples e rápido de confecionar. Estes peitos de frango recheados... tornaram-se um dos meus Sabores prediletos, depois que os provei, e há já muito tempo, num dos emblemáticos restaurantes do Porto, na zona ribeirinha.



Ingredientes

3 peitos de frango, inteiros e uniformes
1 alheira
1/2 dl de azeite
1 colher (sopa) bem cheia, de sopa de rabo de boi, da marca knor
1 colher de (chá) de calda de concentrado de tomate, (opcional)
1 colher de (chá) de molho inglês, de boa qualidade
2,5 dl de água
Sal e pimenta de moinho



Preparação do molho

Salpique os peitos de frango ligeiramente de sal e reserve por 15 minutos. Entretanto prepare o molho e é aqui que vai utilizar a sopa knorr. Dissolva-a bem na água fria, acrescente o concentrado de tomate, e leve a lume médio mexendo até engrossar e ficar um creme suave. Deixe fervilhar por dois minutos e tempere com o molho inglês e a pimenta.




Preparação dos Peitos de Frango

Pré aqueça o forno a 180º ou 200ºC. 
Parta a alheira em três pedaços alongando-os ligeiramente. Com uma faca afiada, faça uma abertura na lado mais alto do frango e introduza a alheira, mas de forma a que não ultrapasse a abertura para poder fazer os cortes em V com facilidade e sem que a alheira se desmanche. Aqueça bem o azeite numa frigideira anti-aderente e aloure um peito de cada vez, por um ou dois minutos de cada lado e retire para o recipiente que os levará ao forno. Após esta etapa concluída, coloque o recipiente no forno por poucos minutos, até alourarem. Nesta fase, o tempo de forno, será também consoante o seu gosto por carne mais ou menos passada. Convém ser servida de imediato após sairem do forno. Eu gosto de acompanhar a carne só com legumes e finalizando com um pouco de molho.   



Não coloco mais temperos na carne do frango pelo motivo de a alheira já ser suficientemente temperada e o molho também.

24 de janeiro de 2016

Tarte de Alfarroba {do Algarve}





No verão de 2013, provei os deliciosos doces de alfarroba da Quinta dos Avós, em Albufeira, os aromas encantaram-me e é mais um ingrediente de eleição, na minha lista. 
O bolo de alfarroba com laranja que fiz anteriormente, também é muito bom, mas esta tarte é  irresistível!!  
...quando vi esta receita no blog, Coco e Baunilha, soube que a teria de fazer e a Patrícia também a refere como original: Tarte de Alfarroba do Algarve. De aromas e sabores fortes,  mas de inconfundível textura. É ainda mencionado na receita que os aromas ficam mais apurados nos dias seguintes.


A Tarte de Alfarroba, antes da cobertura com o cacau.



Ingredientes

Massa

25g de farinha de alfarroba
100g de farinha de trigo
60g de açúcar em pó
50g de manteiga
1 pitada de sal
1 ovo pequeno

Recheio

180g de açúcar amarelo
50g de farinha de alfarroba
35g de cacau em pó, de boa qualidade
75g de amêndoa moída
4 gemas
Raspas de 1 limão
2 colheres de (sopa), (40g) de manteiga, derretida (não deixar ferver)
1 colher de (café) de essência de baunilha
1 pitada de canela, pus 1 colher de (café)
1 chávena de água fria (120dl)
1 pitada de sal
Cacau para polvilhar

Preparação da massa

  1. Num recipiente, junte os ingredientes e misture manualmente até obter uma massa moldável. Obterá uma massa molinha.
  2. Forre uma forma de 23cm com fundo amovível com a massa. Não precisa estender, baste pressionar bem com os dedos (é difícil) ou uma espátula de forma a cobrir a forma (é uma tarefa um pouco morosa)
  3. Leve 10 a 15 minutos ao forno pré-aquecido a 180ºC. Retire e reserve. Não convém que fique muito seca.
Recheio
  1. Numa taça bata as gemas com o açúcar e a água durante 1,5 minuto.
  2. Depois junte as farinhas ( alfarroba, cacau e amêndoa), a canela, a baunilha, o sal, as raspas do limão, e a manteiga e bater até ficar homogéneo.
  3. Deite na tarteira e leve ao forno 30 a 45 minutos (testar com um palito). Fica firme mas meio húmida (o palito deve sair ainda com resíduos). 
  4. Deixe arrefecer, desenforme e polvilhe com cacau. Servir no dia seguinte e de preferência com uma bola de gelado de nata ou baunilha.








Vou só deixar uma notinha de rodapé... esta tarte é de média dificuldade !!!   

15 de janeiro de 2016

Bacalhau Gratinado com Espinafres e... uma merenda Rural


Foi durante muitos anos o alimento dos mais desfavorecidos...

O bacalhau, veio colmatar a enorme lacuna existente na alimentação portuguesa. Na idade média, os dias de jejum obrigatórios podiam atingir 130 dias. E o  bacalhau foi a solução para satisfazer essas necessidades prementes do nosso povo. Era peixe, barato e assim curado a sal, (salgado) permitia chegar aos quatro cantos do país.




Muitas crianças não gostam de bacalhau, e eu, de certa forma, também fazia parte do conjunto!

Mas na aldeia e ainda criança, curiosamente gostava de trincar os pequenos pedaços de bacalhau da posta salgado, quando era desfiado ao almoço ou à merenda acompanhado de saborosas azeitonas...

No verão, o trabalho começava com a raiar da manhã e ter assim o beneficio dessa frescura. Como as tarefas da lavoura são penosas e fatigantes, depois das 10 horas da manhã e com o sol já alto recolhia-se a casa. E era por essa hora que se fazia uma ligeira refeição, que se chamava de almoço. Podia ser o bacalhau... broa e azeitonas, figos e broa, umas fatias de chouriças com a broa... esta não faltava nunca. O jantar, era à 1 hora da tarde e na merenda mantinham-se as mesmas iguarias... e outras mais, dependendo da época do ano.




Esta receita é uma variante da original, que normalmente faço. Enquanto o frio permanece, uma assadeira a sair do forno a fumegar é sempre um conforto... de apetite e palato. Brevemente a trarei, e por esse mesmo motivo, hoje trago uma pequena amostra de como a preparação é diferente. Aqui utilizei espinafres frescos. A outra versão é óptima para quando se gosta menos cremoso.









Ingrerdientes:
2 pessoas

1 posta de bacalhau
1/2  molho de espinafres pequeno
1 cebola pequena
3 dentes de alho, esmagados
1 folha de louro
1/3 do saco, de batata palha
1 dl de azeite
1/2 pacote de nata de culinária
Pimenta preta de moinho
150 g de queijos - muzarela e uma mistura de 4 queijos (edam, maasdam, cheddar e queijo curado)
1/2 litro de molho branco bem temperado de noz moscada (pode substituir por bechamel de pacote)

Preparação:

Lamine a cebola, coza os espinafres muito rapidamente e depois de escorrido deixe a água fria correr para os arrefecer rapidamente e manterem assim a sua cor original, prepare o Creme Branco e branqueie o bacalhau. Ponha ao lume um tacho com o azeite e a cebola, umas pedrinhas de sal e os alhos, deixe refogar lentamente alourando um pouco a cebola. Adicione o bacalhau em lascas, envolva, deixe fervilhar 1 minuto e retire do lume.
Deite no recipiente que vai usar uma ligeira camada de molho branco, e espalhe umas folhas de espinafres. Em cima distribua o refogado com o bacalhau e tempere com pimenta. Seguidamente, uma leve camada demolho, branco, os restantes espinafres e a batata palha que pode alterar a seu gosto. Ao creme restante para cobrir, adicione a nata espalhe bem e distribua o queijo por toda a assadeira.
Leve ao forno, previamente quente a 180º C . Baixe para 160ºC até alourar.

Notas:

  • O Molho Branco nesta receita deve ser temperado moderadamente devido ao sal que contêm as batatas fritas.
  • Não picando os espinafres, beneficia  a receita em aspecto e paladar.
  • Esta mistura de quatro queijos (marca Dia) aloura mais rapidamente os gratinados. 
  • O molho branco (tipo bechamel) para esta receita deve ser fluido para penetrar bem nos ingredientes da assadeira .



12 de janeiro de 2016

Voltei...





Foi rápido o restauro...
Como neste blog, sou eu que faço e desfaço (e até estrago), é tudo pelo básico. Gostava de saber mais e fazer melhor... mas não imaginam o prazer que dá. Olhar, e ver que fui eu que fiz !!!

Poderia ter alterado a imagem do banner, mas esta pintura do meu marido... acompanha-me desde o início do blog, e assim continuará !!!

De saúde recuperada, agora há que publicar...

Um beijinho para todos que me visitam !!!

10 de dezembro de 2015

Bolo de Canela e Noz... e vinho do Porto






O ingrediente mágico desta receita é: a Canela. E assim, participar no passatempo da nossa querida amiga, Mariana. Em Receitas para a Felicidade



  
É o meu desejo...

...para que a sintonia do espírito natalício possa entrar na vida de cada um e enchendo os corações de muita paz, amor e sucesso


   É o meu desejo...


Também... agradecer a todos os meus amigos e seguidores que, apesar da minha ausência aqui no blog, não esqueceram estes Sabores...
Foi para mim, um ano problemático, mas volto com a mesma vontade e carinho para vos dar tudo o que sei...




Esta receita foi preparada propositadamente a pensar na família... para mim a essência do Natal é o afecto e a fraternidade entre a família e ainda, aqueles que nos rodeiam. Este é um dos bolos que a mãe do meu marido fazia em dias especiais, e chamavam-lhe, Bolo Mulato. A tradição deste bolo é levar azeite, mas este não leva.



Ingredientes

130 g de açúcar
80 g de manteiga (usei margarina vaqueiro)
200 g de farinha sem fermento
2 ovos, médios
80 g de nozes
1 dl de leite
2 colheres de (chá) fermento em pó
1 colher (sobremesa) de canela
2 a 3 colheres (sopa) de vinho abafado ou vinho do Porto


Preparação

Bata a manteiga ou margarina com o açúcar e junte os ovos, um a um, batendo~entre cada adição. junte a farinha misturada com o fermento e a canela, alternando com o leite e o vinho. Bata bem. Por fim incorpore as nozes picadas.

Deite a massa numa forma untada com margarina e forrada com papel vegetal também untado, e polvilhar com farinha. Leve a cozer em forno bem quente (190ºC) durante 10 minutos e prolongue a cozedura, em forno médio (160ºC) durante 30 a 40 minutos.

Neste bolo dupliquei os ingredientes e a forma de mola é de 26 cm. 



 Esta redução de vinho, que coloquei nos pratos das fatias, é da calda das,  Pêras Bêbadas!  
Quando se prepara as pêras normalmente sobra calda. Coloco-a num frasco e guardo no frio para decorar ou dar cor numa sobremesa.

17 de outubro de 2015

Os melhores Muffins !!!



Este é o titulo da receita, e que permitiu esta delicia. Viajando na Web cheguei a... allrecipes.com




Porquê  Bolinhas encarnadas... ??? 
'A pedido do aniversariante... e com convicção disse - É a cor do meu clube!!





Esta frase, recordou-me lembranças de criança! Tinha sete anos quando saí da terra onde nasci e fiquei a viver na a linha do Estoril, tinha por perto familiares que não eram adeptos de futebol, mas em Lisboa, uma tia minha e o marido eram os clássicos sócios do Benfica, da década de 60.  

Como não tinham filhos, os sobrinhos estaria em linha directa... para os seguir na "cor do seu clube"...  e até resultou com um primo que só tinha quatro anos, e muitas vezes havia choro, quando olhava roupa que ia vestir... - "não é da cor do meu clube".  

Algum tempo depois, estivemos onze anos afastados. Quando regressei, os tios continuavam os mesmos implacáveis adeptos do Benfica, e o meu primo... nem recordo se gostava de futebol.



Adoro-os em qualquer cor... fofos com muitas gotas de chocolate ou outras tantas coisas, que lhes podemos acrescentar. 

Para quem gostar de saber... moffin e cupcack, são bolinhos com receitas distintas, e  muito diferentes 





Ingredientes

250 g de farinha
3 colheres de (chá) de fermento Royal(10g)
1/2 colher de (chá) de sal
150 g de açúcar
1 ovo
230 ml de leite semidesnatado (usei meio gordo)
4 colheres de (sopa) bem cheias de óleo
100  de pepitas de chocolate

 Preparação
  1. Préaqueça o forno a 200º C.
  2. Misture a farinha, o fermento, o sal e o açúcar numa tigela grande, Faça um buraco no centro. Em uma tigela, pequena bata os ovos com um garfo. Acrescente o leite o óleo e mexa. Deite tudo para dentro do buraco da mistura de farinha. Mexa rápido e levemente com um garfo até a massa ficar humedecida, não bata. A massa ficará espessa e irregular. neste momento, adicione frutas, nozes, chocolate, etc. Misture os ingredientes com cuidado para que possam incorporar à massa.
  3. Distribua a massa pelas formas de muffins, com ou sem forminha de papel. Asse por 20 minutos. O tempo de cozedura depende do tamanho das formas, nas maiores deverá ser 25 minutos